ORGANIZAÇÕES SOCIAIS ENTREGAM CERTIFICADOS DE APRENDIZADO EM INGLÊS PARA ESTUDANTES

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS ENTREGAM CERTIFICADOS DE APRENDIZADO EM INGLÊS PARA ESTUDANTES

No último sábado (23), a Cidadão Pró-Mundo realizou em São Paulo – SP a cerimônia de encerramento do projeto social CPM Qualify. Com apoio do Grupo +Unidos, a ação possibilitou aos jovens estudantes de baixa renda a formação necessária para alcançarem o nível de proficiência na língua inglesa de forma gratuita.

Durante um ano de iniciativa, cerca de 40 alunos tiveram a oportunidade de estudar e aprimorar o principal idioma exigido no mercado de trabalho nacional e internacional. Na cerimônia foram entregues seus comprovantes de realização de curso. Com isso, eles estão aptos a realizar a prova oficial de Cambridge, a First Certificate in English (FCE), que possibilita o ingresso em universidades estrangeiras, além de qualificar o domínio do inglês, escrito e falado, para trabalhar ou estudar.

O evento, que aconteceu na ETEC Santa Ifigênia – Centro Paula Souza, contou com falas de abertura de Augusto Corrêa (Diretor Executivo do Grupo +Unidos) e Duval Guimarães (presidente da Cidadão Pró Mundo). Participaram ainda Alberto Costa (Gerente Sênior de Avaliação das Américas na Cambridge Assessment English) e o Sr. Ricardo Zuniga (cônsul-geral dos EUA em São Paulo).

Em seu discurso, o cônsul-geral explicitou o quão fundamental é ter o domínio da língua inglesa em um mundo cada vez mais integrado. Parabenizou também o papel social exercido por organizações como a Cidadão Pró Mundo e o Grupo +Unidos. Ainda, reforçou as afinidades entre brasileiros e norte-americanos em termos populacionais e culturais: “Estou muito orgulhoso de estar aqui. O mais importante para nós é que os laços são entre pessoas, não entre empresas, não entre governos. Eles existem, mas não são tão importantes quanto o fato de termos quase 2 milhões de brasileiros por ano indo para os Estados Unidos, e termos uma grande comunidade de brasileiros morando lá. Essas conexões são realmente importantes para nós”.

Fundada há mais de 20 anos, a Cidadão Pró-Mundo tem como sua principal missão o ensino voluntário de inglês para comunidades carentes e alunos que não teriam a oportunidade de aprender uma nova língua. A parceria entre a CPM e o Grupo +Unidos começou em junho de 2017 e culminou no projeto piloto CPM Qualify, que prepara os estudantes para atingirem níveis elevados de proficiência linguística. A perspectiva para os próximos anos é que se amplie o número beneficiados, para continuar promovendo a igualdade de oportunidades e inclusão de jovens e adultos em uma sociedade cada vez mais globalizada e bilíngue.

Agradecimentos ao Centro Paula Souza por ceder o espaço para a cerimônia de encerramento do projeto.

+UNIDOS REÚNE LÍDERES EMPRESARIAIS PARA DEBATER INVESTIMENTO SOCIAL

+UNIDOS REÚNE LÍDERES EMPRESARIAIS PARA DEBATER INVESTIMENTO SOCIAL

No dia 13 de junho, o Grupo +Unidos, em conjunto com a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), organizou um encontro com executivos financeiros para uma discussão a respeito de boas práticas de gestão e também investimento empresarial para a sociedade brasileira.

O evento foi realizado em um painel que contou com a participação do Lucas Medola e Eduarda Bueno, CFO do PayPal para América Latina e diretora financeira da KPMG Brasil, respectivamente. Durante o bate-papo os palestrantes abordaram temas voltados às ações sociais que visam melhoria e desenvolvimento humano no Brasil sob o viés econômico e situação financeira de suas empresas.

De acordo com Eduarda, a KPMG estuda cada projeto individualmente e procura observar qual será seu retorno para sociedade. “Nós buscamos mensurar quanto essa ação irá de fato fazer a diferença. Para nós, primeiro é observado o impacto e depois o custo”, conclui a diretora financeira. Contudo, ressaltou que caso surja um projeto fora do cronograma anual e do valor determinado disponível para ações de cidadania, a KPMG não descarta sua realização, mas estuda se é viável para o momento.

Já o PayPal apresenta mais flexibilidade em seu planejamento social, desde que esteja alinhado com as diretrizes internas da companhia. “Nós estamos vivenciando uma revolução social no Brasil, com empresas cada vez mais engajadas em causas em prol da população. Assim, procuramos executar ações com liberdade, para arriscar, errar, tentar novamente até que possamos acertar” afirma Medola.

Além disso, durante o painel os convidados debateram sobre como as empresas devem se engajar no desenvolvimento social e quais são as vantagens que esse investimento traz. Para Eduarda, essa iniciativa precisa estar presente em todas os setores da instituição, incluindo suas ideologias e colaboradores. “As novas gerações estão acompanhando o envolvimento das companhias em causas sociais para a escolha profissional. Assim, é importante que a organização esteja atualizada e engajada para atrair novos colaboradores” destaca a diretora financeira da KPMG Brasil.

Contudo, para que consigam atingir esse objetivo, é preciso fortalecer a estrutura legal para aprovação de projetos e negociação de financiamentos. Medola reforçou que é fundamental que as empresas se unam e assumam a responsabilidade de investir na sociedade, pois “em longo prazo trará criação de empregos, bom retorno social e econômico.” Segundo o CFO do PayPal é preciso observar em longo prazo, porque aplicar esforço apenas em situações superficiais não resolve o problema real.

Ao todo, cerca de 24 executivos de diversas áreas participaram do debate sobre a importância das ações do setor privado na sociedade em geral. O painel foi realizado no restaurante Dalva e Dito, na cidade de São Paulo.

EVENTO ENCONTRO DE LIDERANÇAS DE GRANDES CORPORAÇÕES

EVENTO ENCONTRO DE LIDERANÇAS DE GRANDES CORPORAÇÕES

Grupo +Unidos convida lideranças de grandes corporações para discussão de boas práticas para o investimento social no Brasil

 

 

 

O Grupo +Unidos promove um importante encontro na próxima quarta-feira (13), contando com lideranças de grandes corporações para discutir boas práticas relacionadas ao investimento social privado no Brasil.

 

 

Em um momento de profunda transformação social, faz-se necessária uma reflexão sobre como empresas e instituições devem atuar junto à diferentes setores da sociedade para que, juntos, busquemos soluções viáveis para problemáticas coletivas.

 

 

O evento contará com a presença de dois palestrantes: Eduarda Bueno, Diretora Financeira KPMG Brasil e Lucas Medola, CFO do PayPal para a América Latina.

 

 

Lucas Medola é CFO do PayPal para a América Latina desde abril de 2014. Graduado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP) em 2004, cursou o programa de MBA Executivo (Master in Business Administration) em Finanças da INSPER/IBMEC e participou de diversos cursos técnicos e de especialização.

 

 

Em sua atual posição, Medola tem como meta tornar a área financeira mais estratégica, multitarefa e parceira das áreas de negócios. Responde no PayPal pela liderança em Finanças, Controladoria, Regulatórios e Finance Business Intelligence, e atua nos assuntos relacionados a Tecnologia da Informação e Gestão de Facilities

 

 

Eduarda Bueno, Diretora Financeira da KPMG, é formada em contabilidade pela Universidade Federal de Minas Gerais e atua no cargo há quase 8 anos. Foi responsável por atualizar os processos contábeis da companhia, bem como a realização de relatórios financeiros e de prestação de contas.

ESTRANGEIROS DO 3M IMPACT FAZEM TRABALHO VOLUNTÁRIO EM CAMPINAS

ESTRANGEIROS DO 3M IMPACT FAZEM TRABALHO VOLUNTÁRIO EM CAMPINAS

São Paulo, junho de 2018 – Inglaterra, África do Sul, Coreia do Sul, Alemanha, Panamá, Canadá, Sri Lanka, Finlândia e Austrália. Não, não estamos falando de Copa do Mundo. Essas são as nacionalidades de um time do bem da multinacional 3M que acaba de chegar em Campinas para realizar trabalho voluntário em três instituições da região. São todos participantes do programa 3M Impact que incentiva o uso de conhecimentos e habilidades dos funcionários para solucionar problemas em missões voluntárias pelo mundo.

Vindos de unidades da 3M de 10 países diferentes, no dia a dia eles trabalham nas áreas de vendas, marketing, jurídica, manufatura, serviço técnico, pesquisa&desenvolvimentoou engenharia. Ao todo, os estrangeiros vão ficar 15 dias no Brasil. Eles estão divididos em grupos que vão auxiliar como voluntários na Associação Cornélia, que atua na reabilitação psicossocial de pessoas com transtornos mentais e dependência química de 300 pessoas; na Fundação Eufraten,  que promove educação para 600 pessaos, entre  crianças, adolescentes e famílias em áreas de alta vulnerabilidade social; e do Serviço Social Nova Jerusalém, instituição que presta assistência social  a 520 crianças e adolescentes carentes.

O programa beneficia todos os envolvidos: comunidade, funcionários participantes e a 3M. Em 2017 ocorreu o piloto do projeto com  funcionários de diversas partes do mundo que atuaram como voluntários em projetos na Malásia, Indonésia e Vietnam. Este ano, 3M Impact terá missões em quatro países com subsidiárias da empresa – China, África do Sul, Índia e Brasil. Para a edição 2018 foram mais de 800 inscrições de 60 países e 50 funcionários escolhidos. Os interessados precisavam ter pelo menos 2 anos na empresa e passaram por um rigoroso processo seletivo.

“É um programa de desenvolvimento pessoal, que proporciona uma vivência em outro pais, resolvendo problemas sociais,compartilhando seus talentos e conhecimentos para ajudar a fazer a diferença, além de estimular a criatividade e o trabalho em equipe”, detalha Mara Fioravante, presidente do Instituto 3M. Pela primeira vez um brasileiro foi selecionado: Fernando Almeida, do departamento de Relações Governamentais da 3M do Brasil, que irá à China em agosto, para atuar como voluntário em instituições sociais do país. 

Sobre o Instituto 3M

O Instituto 3M de Inovação Social é uma organização idealizada pela 3M do Brasil e visa contribuir para a transformação social do Brasil promovendo o empreendedorismo de nossas futuras gerações, fundamentado em valores éticos, de cidadania e de sustentabilidade. A missão do Instituto 3M, fundado há 12 anos,  é atuar na descoberta de tecnologias sociais e no desenvolvimento de programas próprios e em parcerias com foco na formação de nossas futuras gerações para empreendedorismo. Para mais informações, acesse: www.instituto3m.org.br

Sobre a 3M

Na 3M, aplicamos a ciência de forma colaborativa para melhorar vidas diariamente. Com cerca de 91 mil funcionários conectados com clientes em todo o mundo e mais de 55 mil itens de produtos inovadores para diferentes mercados, a 3M atingiu US$ 31,7 bilhões em vendas globais em 2017. No Brasil, o Grupo 3M conta com cinco fábricas instaladas no Estado de São Paulo, que compõem a 3M do Brasil, além das empresas 3M Manaus, instalada no Amazonas e a Capital Safety, que opera no Paraná. Em 2017, alcançou faturamento bruto de R$ 3,8 bilhões no País, onde conta com cerca de 3.400 funcionários. Conheça nossas soluções criativas no site www.3M.com.bre cadastre-se para receber nossas notícias em http://news.3m.com/pt-br.

MICROSOFT E APPLE TRABALHAM JUNTAS EM NOVO PADRÃO PARA DISPLAYS BRAILLE

MICROSOFT E APPLE TRABALHAM JUNTAS EM NOVO PADRÃO PARA DISPLAYS BRAILLE

O grupo USB Implementers Forum, formado por grandes empresas de tecnologia como Apple, Microsoft e Google, anunciou nesta quinta-feira um novo padrão de dispositivo de interface humana USB (ou USB HID, na sigla em inglês) para displays Braille. A notícia “representa um passo rumo à melhor acessibilidade para pessoas que são cegas ou têm pouca visão” porque deve tornar mais fácil usar um aparelho do tipo em diferentes sistemas operacionais e hardwares, segundo a própria organização.

Os displays Braille — também chamados de linhas Braille — não são telas no sentido mais popular da palavra, e sim dispositivos compostos por uma fileira de células Braille eletrônicas, usados para transformar o conteúdo exibido pelo PC ou por outro equipamento eletrônico em informação tátil. Os pinos das células se movem dinamicamente para representar o que está escrito em linhas de texto, identificadas com ajuda de algum software leitor de tela que seja compatível com o aparelho.

A ideia do novo padrão é tornar a instalação de um equipamento do tipo mais simples, para que os usuários precisem apenas ligá-los ao hardware desejado, esteja ele rodando Windows, Mac, Linux, Android ou iOS. Hoje, displays Braille precisam de softwares e drivers customizados, “criados para um sistema ou um leitor de tela específico”, segundo a USB-IF, o que representa uma dificuldade a mais na instalação.

Com um padrão definido, agora é só uma questão de tempo até que as fabricantes comecem a produzir novos equipamentos compatíveis — o que, na visão da Microsoft, deve acontecer até o começo do ano que vem.

Fonte: olhardigital.com.br