ELA TENTOU ATUAR NO TERCEIRO SETOR, MAS SE ENCONTROU NA PLANT, QUE FAZ HORTAS ORGÂNICAS NAS CIDADES

por | jul 16, 2018

Gigante mundial do plástico e dos fertilizantes, a Dow Química possui uma horta orgânica no telhado de sua sede brasileira, na cidade de São Paulo. O plantio e manutenção das 42 espécies encontradas ali são a primeira entrega da Plant Fazendas Urbanas, que tem como missão instalar hortas de médio a grande porte no topo de prédios das cidades. O negócio tem menos de um ano e meio de vida e já ganhou quatro prêmios, dois deles da ONU. A fundadora do negócio, a hortista Lê Andrade, 35, agora quer ganhar escala e passar de uma para sete hortas instaladas pela Plant. Uma delas, ela conta, será no telhado de uma montadora de automóveis e terá nada mais nada menos que 29 000 mudas.

Esta história, porém, começa na divisa entre Bahia e Piauí, região semiárida onde Lê chegou em 2013 para trabalhar com formação comunitária (ela é diplomada em Sociologia). Foi lá que aprendeu o valor das hortas como ferramenta em processo de autonomia alimentar. Em 2015, no entanto, uma troca de gestão mudou as coisas. “Saiu a gerente e chegou um homem bruto, sem tato para lidar com uma comunidade de três mil pessoas, formada por senhoras que estavam aprendendo a se empoderar. E ele, com sua postura de macho alfa e executivo bem-sucedido, não facilitava as coisas. Acabei pedindo demissão”, conta ela.

A hortista voltou, então, para São Paulo, sua cidade natal, e foi trabalhar novamente em um projeto de cunho social, dessa vez em um instituto ligado a um banco. O problema deixou de ser a seca, e passou a ser as enchentes. Isso e a violência, já que o tráfico de drogas era presente e agressivo nas comunidades em que atuava — a ponto dela receber ameaças. Lê conta que um dia seu celular tocou na estação de trem, a caminho do projeto, e o interlocutor relatou a roupa que ela vestia, dizendo que, se ela entrasse no trem, não voltaria para casa. Foi uma situação limite que a levou a uma crise de pânico. Outros episódios semelhantes acabaram minando sua disposição.

Ela não sabia que a semente do empreendedorismo já estava plantada

Para se recuperar dessas violências, ela passou seis meses em casa e, ali, acabou germinando um novo caminho para sua vida. Ela diz que entendeu que não seria feliz se continuasse no terceiro setor. Também chegou à outra conclusão: o que queria fazer mesmo era horta e, por conta própria, — sem a “obrigação marketeira” de expor resultados, como fazia em seu antigo trabalho. Ela fala mais sobre esta sensação de cobrança: “Uma horta tem raiz própria e só existe em tempo estendido, ou seja, ela não dá a mínima para um relatório de projeto”

Este tipo de constatação a ajudou a seguir adiante. Seu primeiro plano foi criar uma empresa que instalasse hortas verticais em coworkings. Neste momento, janeiro de 2017, um amigo a convidou para a Campus Party daquele ano. Lá, haveria uma competição de projetos e poderia ser uma oportunidade para ela apresentar a ideia.

Participou do “The Big Hackaton”, competição de cinco dias com mais de mil participantes. Ao final, representantes do PNUD, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, avaliaram quais projetos melhor contemplavam os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Dos 17 objetivos, o projeto da hortista atendia a 14. Foi primeiro lugar.

Mesmo assim, transformar uma ideia premiada em um negócio não foi nada fácil. Em dado momento, ela afirma que um dos gestores que ouviu sua ideia questionou se a “hortinha” era escalável, sentenciando que o negócio iria à falência em menos de dois anos. “Ele demoliu minha ideia. Hoje, vi que me fez um favor, pois ele foi duro com a proposta, não comigo. Aquilo ficou na minha cabeça. Hortinha? Ele vai ver só!”, conta. Foi daí que surgiu a proposta de construir grandes hortas em telhados de empresas maiores ainda.

Antes de colher frutos, um feedback negativo quase derrubou o negócio

Hoje, Lê reconhece o quanto uma provocação bem feita a empurrou para frente. Ela pivotou seu modelo de negócios no meio do hackathon e, lá mesmo, encontrou os representantes do primeiro cliente, a Dow Química Brasil. Apresentou seu pitch a eles e saiu com um compromisso: se ganhasse o troféu, suas hortas teriam espaço no telhado da empresa. Dito e feito.

Em março de 2017, começou a construir junto sua trajetória empreendedora. Desenhou seu MVP, foi estudar o mercado e seus fornecedores, aprendeu a precificar e negociar contratos. No primeiro momento, não entendeu que teria um aporte inicial e foi direto aos fornecedores e comprou fiado. A horta da Dow foi montada em setembro, com o investimento próprio de 15 mil reais, e apenas em outubro caiu o primeiro pagamento. Mas, inexperiente, ela calculara o orçamento errado e acabou trabalhando de graça por meses. Lê conta que apenas em janeiro deste ano as contas se equilibraram.

E, junto com elas, também aconteceu a primeira colheita. Foram 600 pés de alface, que renderam ao restaurante dos funcionários da Dow Química três dias de salada. Além de produzir alimento, a horta também recebe as sobras do refeitório, que são compostadas ali mesmo pelo parceiro Morada da Floresta e, depois, voltam à terra do telhado, onde nascem curry, jambu, capim-limão, erva-doce, cenoura, beterraba, espinafre, peixinho e ora-pro-nobis.

Um ciclo totalmente orgânico

As caixas usadas na estrutura da horta vêm de cooperativas de reciclagem, já os insumos da terra, como mudas e adubo, são produtos da agricultura familiar. Para completar este ciclo, que é totalmente orgânico, há também um olhar para o social: as pessoas que trabalham nas hortas são mulheres, imigrantes, em situação de vulnerabilidade. Além disso, Lê afirma que um terço dos lucros da empresa será destinado a replicar as hortas em comunidades próximas dos clientes.

A empreendedora afirma que, além de gerar alimentos, economizar combustível, eliminar agrotóxicos e insumos químicos, purificar o ar e melhorar a saúde mental, construir uma horta funciona como “ferramenta de grupo”, fortalecendo a colaboração entre os membros de um time.

Para seguir próxima à sua vocação — a de formação comunitária e geração de renda — a hortista sabe que precisa acumular mais experiência e se manter resiliente no papel de empreendedora. Mas diz que está feliz da vida: “Dormindo pouco e plantando uma fazenda urbana atrás da outra, de preferência”.

Fonte: https://projetodraft.com

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe esse conteúdo: