• Português
  • English

BRASILEIRO SE IMPORTA COM A CIÊNCIA E DESEJA O PROGRESSO, REVELA ESTUDO DA 3M



[et_pb_section bb_built=”1″ background_color=”#e6e6e6″ custom_padding=”108px|0px|9px|0px” _builder_version=”3.0.65″ next_background_color=”#000000″][et_pb_row _builder_version=”3.0.47″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” custom_padding=”23.1094px|0px|16px|0px”][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_post_title categories=”off” comments=”off” _builder_version=”3.0.65″ title_font=”|on|||” title_font_size=”27px” title_font_size_phone=”27px” title_font_size_last_edited=”on|phone” title_text_color=”#132c66″ /][et_pb_text _builder_version=”3.0.106″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” background_layout=”light”]

O Índice Anual da Situação da Ciência (State of Science Index – SOSI), estudo feito pela 3M em todo o mundo, tem o intuito de entender o que as populações ao redor do globo pensam em relação à ciência. A pesquisa contou com respostas de entrevistados de 14 países, que foram questionados em relação ao seu conhecimento, compreensão e valorização da ciência.

Segundo John Banovetz, diretor global de tecnologia na 3M, “o mundo está se tornando cada vez mais tecnologicamente avançado todos os dias e a ciência está levando a esses avanços tecnológicos” e que, por isso, a empresa espera que “ao tornar os dados da pesquisa acessíveis, os defensores das ciências em todo o mundo poderão utilizá-los para focar ações na ciência e contribuir para sua maior valorização em nosso mundo”.

A ciência no mundo

O estudo percebeu posicionamentos bastante favoráveis ao avanço e importância da ciência nas respostas dos entrevistados. 87% dos entrevistados de todos os países acreditam que a ciência é fascinante e não algo chato. Entretanto, 38% das pessoas ouvidas acreditam que o nosso dia-a-dia não seria muito diferente do que é hoje se não houvesse ciência. 32% se dizem céticos em relação à ciência e 20% afirmam não confiar em cientistas.

Percepções brasileiras sobre ciência

Já no Brasil, a população entrevistada se mostrou mais consciente da importância da ciência no mundo quando comparada com outros países. Também foi visto que os brasileiros não consideram que o país seja uma liderança em relação aos avanços científicos.

Quando brasileiros escutam a palavra “ciência”, eles se sentem:

  • 94% esperançosos e 6% desencorajados;
  • 88% fascinados e 12% entediados;
  • 90% acreditam que a ciência impulsiona a inovação;
  • 85% acreditam que o mundo é um lugar melhor graças à ciência.

Sobre as expectativas que os brasileiros têm sobre a ciência e o futuro:

  • 66% pensam que os melhores dias da ciência ainda estão por vir;
  • 63% estão entusiasmados com o impacto futuro da ciência na sociedade;
  • 76% pensam que vão ver a cura do câncer em vida;
  • 51% acreditam que ainda verão carros voadores em vida.

Sobre o impacto que a ciência têm:

  • 83% brasileiros acreditam que a ciência é muito importante para a sociedade (contra 63% dos entrevistados no resto do mundo);
  • 72% disseram que a ciência é muito importante para a vida cotidiana (no mundo, 46% apenas);
  • 34% dos brasileiros concordam que a ciência tem um impacto completamente positivo em suas vidas cotidianas (contra 22% na média global).

Sobre a percepção da ciência protagonizada pelo Brasil:

  • 74% dos brasileiros entrevistados acreditam que o Brasil está atrasado cientificamente;
  • 42% acham que o financiamento inadequado aplicado pelo governo nas pesquisas científicas é a principal barreira para os avanços científicos no país;
  • 84% acreditam que outros países dão mais importância ao progresso científico que o Brasil.

Outros dados importantes coletados são sobre o prestígio que cientistas e celebridades encontram em nossa sociedade: Quando perguntados se preferiam jantar com o gênio dos gramados Neymar Júnior ou com o astronauta brasileiro Marcos Pontes, 51% preferem a companhia do astro do futebol e 49% querem passar um tempo com o astronauta. Já quando foram questionados se preferiam dar um rolê com a cantora Ivete Sangalo ou com a doutora Celina Turchi, responsável pela descoberta da relação entre a Zika e a microencefalia, 58% estavam mais interessados na diva do axé, enquanto 42% queriam conhecer a pesquisadora.

[/et_pb_text][et_pb_post_nav _builder_version=”3.0.65″ title_text_color=”#132c66″ /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_sidebar area=”sidebar-1″ _builder_version=”3.0.65″ /][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section][et_pb_section bb_built=”1″ background_color=”#e6e6e6″ custom_padding=”12px|0px|0px|0px” _builder_version=”3.0.65″ prev_background_color=”#000000″][et_pb_row custom_padding=”10px|0px|0px|0px” _builder_version=”3.0.65″][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_comments _builder_version=”3.0.65″ custom_button=”on” button_border_width=”1px” button_border_radius=”0px” button_on_hover=”off” button_border_color_hover=”#132c66″ /][et_pb_divider color=”#132c66″ show_divider=”on” divider_style=”solid” divider_position=”bottom” divider_weight=”1px” _builder_version=”3.0.64″ global_module=”5886″ saved_tabs=”all” /][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Assine nossa Newsletter

    Logo +Unidos
    Youtube Flickr Linkedin Facebook ...