GRUPO +UNIDOS REALIZA ASSEMBLEIA ANUAL COM CEO’S E PRESIDENTES DAS EMPRESAS MEMBRO

GRUPO +UNIDOS REALIZA ASSEMBLEIA ANUAL COM CEO’S E PRESIDENTES DAS EMPRESAS MEMBRO

Na última terça-feira, 16 de abril, o Grupo +Unidos, fundo de investimento social atuante no Brasil há mais de 10 anos , realizou sua Assembleia Anual e reunião do Conselho Consultivo, instância máxima nas tomadas de decisão da organização. Na ocasião, os resultados de impacto social e financeiros obtidos ao longo do ano de 2018 foram apresentados às empresas associadas, bem como discutidos os próximos passos a serem dados para consolidar ainda mais a participação do Grupo no atendimento às demandas por investimento social privado no país.

As falas de abertura do encontro ficaram sob responsabilidade de David Bunce, presidente do Conselho Diretivo +Unidos e sócio aposentado da KPMG no Brasil, e de Adam Shub, Cônsul Geral dos Estados Unidos em São Paulo. Na ocasião, o Cônsul parabenizou o trabalho desenvolvido pelo Grupo e deu ênfase à importância do Projeto RoboLab, desenvolvido em parceria com a Secretaria Estadual de Educação, a empresa de tecnologia Qualcomm e o Instituto TIM: “Obtivemos grandes estatísticas e resultados a partir dessa iniciativa, pois ela despertou o interesse em STEM entre os alunos das escolas públicas”, disse.

O diretor executivo do Grupo +Unidos, Augusto Corrêa, apresentou números que expressam o crescimento da organização nos últimos dois anos. Nesse período, foi aprovada a Política de Investimento Social do Grupo +Unidos, que consolidou o seu escopo de atuação e definiu métricas e indicadores para a mensuração do impacto social do investimento aplicado. É importante destacar que, desde 2016, o número de projetos apoiados praticamente triplicou e o número de estudantes e professores beneficiados aumentou em 5,7 vezes.

Ainda, nos últimos dois anos, o Grupo se especializou em algumas competências de trabalho. Além do investimento social, a instituição oferece aos seus parceiros a gestão e consultoria de projetos de impacto e promove o encontro entre diferente setores da sociedade – mundo corporativo, organizações sociais e poder público -, incentivando trocas de experiências e fortalecendo uma potente rede.

Gabriela Szprinc, presidente do Comitê Gestor +Unidos e responsável pela área de Pequenas e Médias Empresas (PMEs) do PayPal no Brasil, fez uma breve fala de encerramento e, em seguida, prestou uma homenagem ao diretor da USAID no Brasil, Michael Eddy, por todo o apoio dado à iniciativa a partir da facilitação das relações com a Missão Diplomática Americana.

O Grupo +Unidos permite que o investimento colaborativo seja mais fácil e transparente para todas as partes envolvidas. Esperamos continuar trabalhando para atrair mais membros e continuar catalisando os resultados de um desenvolvimento transformador da educação brasileira. Se sua empresa também quer apoiar projetos de impacto, faça parte da nossa rede enviando um e-mail para contato@maisunidos.org.

Para ver as fotos do evento, acesse este link.

VOLUNTEER DAY 2019 PROMOVE ENCONTRO ENTRE PROFISSIONAIS DE GRANDES CORPORAÇÕES E ESTUDANTES PARTICIPANTES DE PROJETOS SOCIAIS

VOLUNTEER DAY 2019 PROMOVE ENCONTRO ENTRE PROFISSIONAIS DE GRANDES CORPORAÇÕES E ESTUDANTES PARTICIPANTES DE PROJETOS SOCIAIS

Os últimos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) apontaram que a taxa de desemprego da população brasileira ativa passou para 11,6% em dezembro de 2018 (12.195 milhões de pessoas). Dentre esses 12,2 milhões, 32,4% possuem entre 18 e 24 anos de idade e 34,4% está na faixa dos 25 a 39 anos. Ainda, há de se considerar a porcentagem de pretos e pardos que se enquadram neste grupo: 64,6%, o que expressa um aumento de 5,5%, desde 2012. Esses números evidenciam o desafio do ingresso do jovem no mercado, em função das diversas barreiras a ele impostas. Diante disso, a sociedade tem o dever de trabalhar para melhorar a nossa educação e aumentar a empregabilidade desses jovens.

Pensando nisso, o Grupo +Unidos criou a cultura de promover semestralmente o programa Volunteer Day, com o intuito de colaborar na preparação de jovens brasileiros socialmente vulneráveis para o mercado de trabalho. No último sábado, 13 de abril, foi realizada a 3ª edição do evento, que aconteceu durante o período da manhã no espaço Plug Calixto e contou com a colaboração dos executivos de empresas associadas ao Grupo, como Bank of America, BCW (Burson Cohn & Wolfe), Dow, PayPal e Trench Rossi Watanabe.

A ação voluntária consistiu em simulações de entrevistas de emprego em inglês, conduzidas pelos executivos das organizações vinculadas ao +Unidos, a 25 estudantes dos programas E2C (English to Connect, Communicate, Catalyze) e English Access. O principal objetivo foi colaborar para que os jovens tenham um melhor desempenho em futuras oportunidades de seleção, com dicas de importantes profissionais do mercado.

Não menos importante, o programa permitiu um rico intercâmbio entre voluntários e estudantes. No seu segundo ano como voluntário, Phelipe Torres, gerente de riscos e compliance da PayPal Brasil, comentou sobre a importância dessa troca e sobre os aprendizados adquiridos com a experiência. “Eu sinto que aprendi muito sobre as pessoas que estão aqui, sobre as suas realidades e sobre o quanto se esforçam para ter algo tão normal para nós, como poder se comunicar em inglês no dia-a-dia”, apontou.

Durante a manhã, os executivos também estiveram envolvidos em oficinas de capacitação para a atividade. As instituições ILIS (Instituto Lira de Inclusão Social) e Electi Educacional foram responsáveis por explicar aos voluntários como conduzir as entrevistas e em seguida como aplicar os feedbacks aos alunos. “Essa interação com as empresas, quando feita de uma forma mais afetuosa e amorosa, traz para os jovens a possibilidade de quebrar a tensão de uma entrevista ou de uma relação estritamente comercial. Acredito que todos tiveram uma experiência muito completa e enriquecedora”, afirmou Sami Elia, sócio da Electi Educacional.

Simultaneamente, os alunos participaram de um workshop realizado pelo LinkedIn sobre ferramentas e caminhos para aprimorar a apresentação dos seus perfis profissionais. Para Fabio Okino, executivo das soluções de marketing do LinkedIn, foi significativo ter uma diversidade tão grande no perfil dos jovens interessados em utilizar e aprender sobre a plataforma. “Fiquei surpreso com o conhecimento que as pessoas já possuíam sobre o LinkedIn. A atividade gerou muitas dúvidas e bastante interação. Foi muito bacana como modo de influenciá-los a se conectarem com as oportunidades que surgem”, comentou.

Para Gabriel Oliveira, advogado e aluno do projeto E2C, participar do evento foi uma ocasião importante para entrar em contato com pessoas em posições de destaque em suas carreiras: “Para mim, o inglês foi uma barreira muito grande na minha história acadêmica e profissional. Perdi muitas oportunidades grandes por não ter essa ferramenta de trabalho. Hoje, eu tenho a chance de trabalhar com essa deficiência que possuo e desenvolvê-la, para que não seja mais uma limitação. Eventos como esse são importantes para que tenhamos uma comunidade cada vez mais unida”.

Para ver as fotos do evento, acesse este link.

PROFESSORES BRASILEIROS QUE JÁ FORAM FINALISTAS DO ‘NOBEL DA EDUCAÇÃO’ DIZEM QUE RECONHECIMENTO IMPACTOU EM SUAS CARREIRAS

PROFESSORES BRASILEIROS QUE JÁ FORAM FINALISTAS DO ‘NOBEL DA EDUCAÇÃO’ DIZEM QUE RECONHECIMENTO IMPACTOU EM SUAS CARREIRAS

Uma viagem a Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e a possibilidade de receber US$ 1 milhão são as duas premiações materiais do Global Teacher Prize (GTP), uma espécie de “Prêmio Nobel da Educação” criado pela Fundação Varkey em 2015 para valorizar o perfil do professor pelo mundo. Mas, segundo alguns dos brasileiros que já se classificaram entre os 50 melhores do mundo nessa premiação, as mudanças que vêm com o reconhecimento mundial de seus projetos são mais abstratas, mas igualmente importantes.

Neste domingo (24), a quinta edição do prêmio foi entregue a Peter Tabichi, um professor de ciências da zona rural do Quênia que doa a maior parte de seu salário para apoiar os alunos mais pobres.

De todas as edições já realizadas desde 2015, apenas na primeira o Brasil não teve professores indicados entre os 50 finalistas.

Veja quem foram os brasileiros finalistas do Global Teacher Prize:

  • Debora Garofalo: professora de tecnologias de uma escola municipal em São Paulo, ficou entre os dez finalistas na edição 2019;
  • Jayse Ferreira: professor de educação artística em Itambém (PE), e ficou entre os 50 finalistas na edição 2019;
  • Diego Mahfouz Faria Lima: diretor de uma escola de São José do Rio Preto (SP), ficou entre os dez finalistas na edição 2018;
  • Rubens Ferronato: hoje professor de Curitiba (PR), desenvolveu um material didático para ensinar matemática a pessoas cegas em Cascavel (PR) e ficou entre os 50 finalistas na edição 2018;
  • Wemerson da Silva Nogueira: professor de química e ciências em Boa Esperança (ES), ficou entre os dez finalistas na edição 2017;
  • Valter Pereira de Menezes: professor de uma escola municipal na comunidade ribeirinha de Santo Antônio do Tracajá, em Parintins (AM), ele ficou entre os 50 finalistas na edição 2017;
  • Márcio Andrade Batistaprofessor de ciências em Barra do Garças (MT), ficou entre os 50 finalistas na edição 2016.

Jayse Ferreira – Ajuda a não desistir

Jayse Ferreira dá aulas de educação artística no interior de Pernambuco. Com o projeto “Vamos encurtar essa história”, para o qual foi selecionado entre os 50 finalistas do Global Teacher Prize em 2019, ele estimula os estudantes a fazerem o roteiro de curtas baseados em filmes e séries escolhidos pelos jovens. A iniciativa rendeu versões de Harry Poter – O Recomeço, Minecraft e um curta autoral chamado “Entre dois lados”, sobre jovens que misturam bebida e direção, um problema comum na comunidade onde Ferreira atua.

Para ele, a indicação ao prêmio o estimula a continuar com os projetos e incentiva estudantes a pensarem em seguir a carreira da docência ao verem a valorização das ações.

“Eu digo sempre: é a solidão pedagógica. O professor se sente só. Quando ele inova, geralmente dá trabalho sair do quadrado. E você vê um prêmio que dá essa visibilidade mundial para o seu trabalho, com certeza o profissional vai se empenhar mais”, conta.

“O aluno também não me vê mais como o professor Jayse, mas como o profissional de educação. Por conta da divulgação e das viagens, eles vêem a docência como algo possível. Passou a fase de achar que educação não presta, que ganha pouco. Isso [o reconhecimento] é muito bom”, comemora.

Em 2014, Ferreira ganhou o prêmio “Professores do Brasil”, do Ministério da Educação, na categoria melhor projeto do ensino médio. Em 2017 ele repetiu a premiação, desta vez com um projeto de tecnologia. Ele também já recebeu a comenda Antonio Carlos da Costa, considerada a maior premiação pernambucana na área de educação.

Valter de Menezes – Reconhecimento internacional

“Longe é um lugar que não existe”, resumiu Valter de Menezes sobre a gratidão que sente pelo reconhecimento de seu trabalho. Professor de uma comunidade ribeirinha no Amazonas, ele se inspirou na pergunta de um de seus alunos sobre o aumento dos casos de diarreia no período de enchentes para desenvolver um projeto científico que culminou na construção de fossas para a comunidade.

Em 2015, seu projeto já havia sido reconhecido com o Prêmio Educador Nota 10, organizado pela Fundação Victor Civita em parceria com a Fundação Roberto Marinho. Em 2016, ele chegou ao “top 50” do Global Teacher Prize. No ano seguinte, ganhou o Prêmio Professores do Brasil e, no ano passado, venceu a Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente.

“Uma classificação mundial como essa muda muito. Primeiro, a concepção de que você é capaz de fazer alguma diferença, mesmo em qualquer parte desse planeta”, explicou ele.

Wemerson Nogueira – Viagens e eventos

“Eu posso afirmar com todas as letras que o Global Teacher Prize muda a vida de qualquer professor”, contou Wemerson Nogueira, do Espírito Santo. “Eu nunca havia saído da minha casa no interior de Nova Venécia (zona rural) em viagem a outro país.”

Desde que se tornou o primeiro brasileiro a entrar no “top 10” do GTP, há dois anos, Nogueira, que dava aulas de ciências biológicas, diz que já visitou 43 países, aprendeu a falar inglês e espanhol, recebeu novas propostas de trabalho e visitou universidades renomadas, como Harvard.

Entre 2016 e 2018, o professor também recebeu o prêmio de Educador do Ano pelo projeto ‘Filtrando as Lágrimas do Rio Doce’, com alunos do 8º ano de uma escola municipal, além de seis prêmios e 12 homenagens.

Depois de alcançar fama internacional com seu projeto em sala de aula, Nogueira foi acusado, em 2017, de usar um diploma falso de licenciatura para conseguir o emprego como professor da rede pública. Ele afirmou que foi enganado por um pólo de estudos falso. Nesta semana, o capixaba afirmou ao G1 que entrou com uma ação judicial contra o pólo e, que, enquanto o processo tramita, decidiu voltar à faculdade e começar outro curso de licenciatura em ciências biológicas.

“Estou me formando este ano, pronto para ingressar novamente na sala de aula, mas agora estou atuando como professor estagiário”, disse ele. “É por isso que eu digo que o GTP muda a vida de um professor. Eu podia ter desistido de tudo depois que vivi esse inferno na minha vida, por causa desse diploma. Mas a resiliência me fez recomeçar novamente e dar a volta por cima.”

Rubens Ferronato – Compromisso nacional e global

Rubens Ferronato, que desde 2000 trabalha com o ensino de matemática para estudantes cegos, e com o treinamento de professores no método de ensino que ele desenvolveu, explicou que, nos dois primeiros anos desse trabalho, seu compromisso era apenas com seus alunos.

Hoje, depois de seis indicações e prêmios, o foco de seu trabalho foi ampliado.

“No momento em que fui premiado, isso meio me obrigou a ter uma visão nacional, brasileira, passei a ter um compromisso social. Com o Global Teacher Prize, passei a ter um compromisso global. Ele é muito importante porque te dá visibilidade a nível mundial”, explicou o professor Ferronato.

Atualmente, ele está desenvolvendo iniciativas com países da América do Sul, Espanha e Itália de educação com o uso de tecnologia social e inclusiva.

“O conceito é o desenho universal”, explicou ele. “Tudo aquilo que você desenvolve para o estudante cego tem que servir para todos. A ideia de inclusão é que ela tem que ser eficiente para atender a todos.”

Márcio Batista – Rede mundial de professores

Assim como Ferronato, os outros professores também já haviam sido reconhecidos em prêmios e homenagens locais ou nacionais. Mas, com o Global Teacher Prize, além do renome internacional, eles também passaram a integrar uma rede mundial de professores, chamada de VTA (Professores Embaixadores da Varkey, na sigla em inglês).

A cada ano, os 50 finalistas são convidados a integrar a rede, que agora chegou a 250 professores de dezenas de países diferentes.

“A rede de contatos e de trabalhos é fantástica”, afirmou Márcio Batista, o primeiro brasileiro a ser incluído na VTA. “Hoje tenho interação com centenas de professores do mundo todo. O prêmio GTP cria conexões unicas e te coloca ao lado dos melhores professores do mundo todo.”

Chegar ao “top 50” da Fundação Varkey em 2016 não foi nem o primeiro nem o último reconhecimento de Márcio Batista, que já foi o vencedor de dez prêmios e, neste ano, é finalista de mais um, no qual orientou um projeto de pesquisa sobre a matemática e o cerrado brasileiro.

Ele diz, porém, que nenhum docente faz projetos diferenciados com o objetivo de receber prêmios. “Claro que o valor de um milhão de dólares faz uma diferença bastante boa na vida de qualquer pessoa. Mas veja por exemplo o caso da nossa finalista Debora. Tenho certeza que seu trabalho não estava focado no prêmio e sim na chance de mudar a vida de seus alunos”, explicou ele.

Debora Garofalo

Debora, que participou da cerimônia de entrega do Global Teacher Prize no domingo (24), não se tornou a primeira representante do Brasil a levar o grande prêmio de primeiro lugar, mas celebrou a conquista do “top 10” mesmo assim.

“Todos nós brasileiros já somos vencedores”, afirmou Debora Garofalo ao Jornal Nacional. “Nosso sonho não acaba aqui, ele só tá começando.”

Qual é o critério de seleção do GTP?

Professores de todo o mundo podem se inscrever na premiação anual, desde que atuem ao menos 10 horas por semana em sala de aula e cumpram um currículo escolar reconhecido pelo governo com alunos de quatro a 18 anos. O vencedor é escolhido pelos integrantes da Academia Global Teacher Prize, formada por professores-chefes, especialistas em educação, comentaristas, jornalistas, funcionários públicos, empresários de tecnologia, diretores de empresas e cientistas de todo o mundo.

Confira abaixo os critérios que são levados em conta na premiação:

  1. Empregar práticas instrucionais eficazes que sejam replicáveis ​​e escalonáveis ​​para influenciar a qualidade da educação globalmente.
  2. Empregar práticas instrucionais inovadoras que abordem os desafios específicos da escola, comunidade ou país e que tenham mostrado evidências suficientes para sugerir que podem ser eficazes para enfrentar esses desafios de uma nova maneira.
  3. Alcançar resultados demonstráveis ​​de aprendizado dos alunos na sala de aula.
  4. Impacto na comunidade além da sala de aula, que fornece modelos únicos e diferenciados de excelência para a profissão docente e outros.
  5. Ajudar as crianças a se tornarem cidadãos globais através do fornecimento de uma educação baseada em valores que as equipa para um mundo onde elas potencialmente viverão, trabalharão e socializarão com pessoas de diferentes nacionalidades, culturas e religiões.
  6. Melhorar a profissão docente ajudando a elevar o nível do ensino, compartilhando as melhores práticas e ajudando os colegas a superar os desafios que enfrentam em suas escolas.
  7. O reconhecimento do professor por parte dos governos, organizações nacionais de ensino, professores-chefes, colegas, membros da comunidade em geral ou alunos.

Fonte: https://g1.globo.com/

EXXONMOBIL VAI USAR SUBSÍDIOS PARA APOIAR MULHERES EMPREENDEDORAS

EXXONMOBIL VAI USAR SUBSÍDIOS PARA APOIAR MULHERES EMPREENDEDORAS

O anúncio, feito em associação com o Dia Internacional da Mulher e a Iniciativa de Oportunidades Econômicas para Mulheres da empresa, ressalta o apoio da ExxonMobil aos esforços para fazer avançar economicamente as mulheres, incentivar e ajudar mulheres empresárias, aumentar a alfabetização financeira e melhorar a produtividade das mulheres agricultoras.

Além das doações feitas pelas afiliadas da ExxonMobil a organizações locais em seus países, a Exxon Mobil Corporation e a ExxonMobil Foundation estão fornecendo fundos para a ADPP, o Centro para o Desenvolvimento Global, a Fundação Cherie Blair para Mulheres, a Counterpart International, o Instituto George W. Bush, Kickstart, Kopernik, Solar Sister, Opportunity International, Technoserve e WEConnect International. Em parceria com o Women’s World Banking, a Fundação ExxonMobil também continua apoiando a iniciativa She Counts, que incentiva os prestadores de serviços financeiros nos países em desenvolvimento a projetar e oferecer produtos para incentivar as mulheres proprietárias de negócios a economizar.

“Pesquisas mostram que quando as mulheres gerenciam suas rendas, elas investem na saúde, educação e bem-estar de suas famílias”, disse Suzanne McCarron, presidente da Fundação ExxonMobil. “Nossos investimentos são especificamente voltados para fornecer apoio às mulheres para aumentar sua produtividade e recursos financeiros e realizar seu potencial máximo.”

A ExxonMobil investiu mais de US $ 120 milhões em sua Iniciativa de Oportunidades Econômicas para Mulheres desde sua criação em 2005 e fez parcerias e apoiou dezenas de iniciativas em benefício de dezenas de milhares de mulheres em mais de 90 países.

A Iniciativa de Oportunidades Econômicas para Mulheres da ExxonMobil se concentra em programas comprovados e baseados em dados que ajudam as mulheres a participar da vida econômica de suas comunidades. Financia iniciativas que correspondem às conclusões do Roteiro comissionado pela Exxon Mobil para a Promoção do Empoderamento Econômico das Mulheres. A Iniciativa se concentra no fortalecimento do empreendedorismo feminino, melhorando a produtividade das mulheres agricultoras e fornecendo acesso a tecnologias apropriadas que catalisam o desenvolvimento de novos negócios.

A ExxonMobil também é membro fundador da Coalizão Global de Negócios para o Empoderamento Econômico das Mulheres, que aproveita o poder do setor privado na promoção de mudanças econômicas sistêmicas para as mulheres.

A empresa gasta cerca de US $ 500 milhões por ano com empresas pertencentes a mulheres, além das doações.

Fonte: https://www.opetroleo.com.br/

INSCRIÇÕES PARA O DESAFIO “INVENT A NEW FUTURE 2019” 3M ESTÃO ABERTAS

INSCRIÇÕES PARA O DESAFIO “INVENT A NEW FUTURE 2019” 3M ESTÃO ABERTAS

Estudantes com mentes curiosas que buscam solucionar problemas do futuro em um ambiente colaborativo e diverso estão convidados a participar do programa Invent a New Future 2019 da 3M, que busca talentos em diferentes países na América Latina. O programa vai proporcionar aos participantes enfrentar desafios que fazem parte do dia a dia dos profissionais da empresa, exercitando suas habilidades. As inscrições estão abertas até 31 de março, por meio do site www.3m.com/inf2019.

Para participar, é necessário ter mais de 18 anos, falar inglês fluentemente, ser estudante do último ano de graduação ou primeiro ano de pós-graduação nas áreas de Engenharias, Ciências, Tecnologia, Vendas, Marketing, Comunicação, Administração, Finanças e Supply Chain. Também é necessário ter passaporte com validade mínima de seis meses anterior à data da viagem.

A 3M selecionará, dentre os inscritos, 15 participantes para a etapa local, que ocorrerá na sede da empresa em Sumaré-SP, em maio desse ano. Na ocasião, os estudantes serão divididos em grupos para solucionar um desafio real de negócios. Os dois finalistas da etapa Brasil ganharão uma viagem para a Costa Rica, para conhecer o Global Service Center da 3M e disputar a fase final América Latina do desafio, competindo com representantes das subsidiárias do México, Panamá, Costa Rica, Colômbia, Peru, República Dominicana e Argentina. A 3M será responsável pelas despesas dos finalistas que irão à final na Costa Rica.

“O objetivo do Programa Invent e New Future é atrair talentos diversos para co-criar com a 3M soluções inovadoras para problemas reais ou futuros que enfrentamos. É algo positivo para os dois lados, pois os estudantes vivenciam experiências únicas e desenvolvem diversas competências durante essa jornada, e nós oxigenamos ideias e conquistamos mais relevância frente às novas gerações”, comenta Naiara Silva, Especialista de Marca Empregadora da 3M para América Latina.

Além da experiência intercultural, os brasileiros finalistas participarão de workshops e atividades com executivos da 3M na Costa Rica, além de práticas que fomentam a inovação e inclusão social, esta última em parceria com a 3M Gives, organismo de responsabilidade social da empresa na Costa Rica. E, caso façam parte do grupo vencedor da etapa final do desafio, ganharão um Programa de Mentoria de Carreira no Brasil, por seis meses, com um executivo da companhia.

Durante o desafio, os estudantes irão exercitar habilidades profissionais como capacidade analítica, resolução de problemas, tomada de decisão, colaboração, comunicação, influência e apresentação.

Fonte: https://www.segs.com.br/

EDITAL STEM TECHCAMP IMPULSIONA PRÁTICAS EDUCATIVAS INOVADORAS POR TODO O BRASIL

EDITAL STEM TECHCAMP IMPULSIONA PRÁTICAS EDUCATIVAS INOVADORAS POR TODO O BRASIL

Desde 2018, o STEM TechCamp Brasil tem alavancado e disseminado iniciativas de inovação na educação por todo o território nacional. Alinhado aos pilares de investimento social do Grupo +Unidos, o programa trabalha com a formação de professores e gestores para capacitá-los como multiplicadores do modelo STEM (sigla em inglês para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática) nas redes públicas de ensino locais.

Na edição de 2019, que aconteceu na Universidade de São Paulo (USP) durante a segunda semana de fevereiro, o evento contou com uma programação muito diversa e, sobretudo, inspiradora. Entre muitos convidados, estiveram presentes os participantes que tiveram suas propostas contempladas pelo Edital STEM TechCamp Brasil 2018, idealizado Departamento de Estado dos EUA, a Embaixada dos EUA no Brasil, por meio do Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC). Os ganhadores do edital receberam recursos financeiros para implantar projetos demonstrativos da inovação nas ações voltadas à aprendizagem ativa de STEM em seus estados.

Conheça alguns TechCampers responsáveis por efetivamente disseminar habilidades e conhecimentos digitais pelo Brasil, além de ampliar a colaboração entre diferentes escolas e municípios.

Ana Cristina Dantas da Silva, Sergipe

A co-líder Ana Cristina faz parte da Secretaria de Educação de Sergipe. Ela e o líder Flávio Gilberto Bento da Silva Araújo, professor do Colégio Estadual Secretário Francisco Rosa Santos, foram responsáveis pela execução do Projeto de Formação em Robótica Maker em Sergipe.

No seu relato de experiência, a gestora demonstrou como foram criativos na utilização dos recursos e a relevância dos resultados alcançados. Com o valor disponibilizado pelo edital foram adquiridos kits de robótica, impressoras 3D e filamentos para impressora. Além disso, alunos do ensino médio foram treinados e capacitados para atuarem como monitores de Impressão 3D. Com o intuito de formar uma rede que fomente tecnologia e educação de forma criativa, a ideia é que esses monitores sejam responsáveis por ministrar aulas para pelo menos outras três escolas locais, as quais deverão dar continuidade ao projeto.

Shirley Conceição Silva da Costa, Bahia

Shirley compõe a Secretaria da Educação do Estado da Bahia. De forma conjunta com a Co-líder Delmaci Ribeiro de Jesus, professora do Colégio Estadual Maria Isabel de Melo Góes, conseguiu mobilizar toda a rede estadual baiana – que abrange 417 municípios – em torno das temáticas de STEM, reunindo professores em diversas formações, estimulando os estudantes e sensibilizando parceiros.

Em agosto de 2018, foi realizado o I Seminário Colaborativo de Feiras Regionais Filiadas à Feira de Ciências da Bahia – FECIBA, contando com aproximadamente 45 docentes e 60 estudantes. Como resultado, os estudantes participantes das feiras regionais baianas participaram de muitas feiras e ganharam diversos prêmios, como o Prêmio Jovem Cientista – CNPq, a Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente – Fiocruz, Prêmio Criativos da Escola, entre outros. Segundo Shirley, “o segredo é envolver os gestores para que eles se comprometam com esses meninos e meninas que querem ser diferentes, que querem fazer ciência”.

Suziane Almeida Toffoli, Rio Grande do Sul

Suziane trabalha como Coordenadora do Núcleo de Tecnologia Educacional da 28ª Coordenadoria Regional de Educação da Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Junto à líder Flávia Santos Twardowski Pinto, educadora do Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Osório, foi responsável pela idealização e realização do 1º Tchê Camp, que promoveu a interação entre alunos e professores através da experimentação de atividades educativas STEM.

O evento, que aconteceu durante a 8ª Mostra de Ensino, Extensão e Pesquisa (MoExP), foi realizado a partir da colaboração entre os diversos NTEs (Núcleos de Tecnologias Educacionais) locais e o Instituto Federal. No dia, os alunos e professores tiveram oficinas e formações práticas, além de uma competição de robótica e a uma mostra de pesquisa feita pelos alunos participantes. Durante o seu relato, Suziane enfatizou a importância em democratizar o acesso à metodologia científica. “Para os alunos, ter essa vivência foi excelente. Eles se empoderam e, a partir dessa oportunidade, devem participar de outros eventos, inclusive nacionais”.

Rafael da Luz Herdy, Pará

Rafael é um gestor da Secretaria de Estado de Educação e faz parte do Núcleo de Tecnologia Educacional de Belém e da Coordenação Estadual de Tecnologia Aplicada à Educação. Com os recursos recebidos a partir do Edital STEM TechCamp Brasil, atuou em colaboração com o co-líder Wamilton Gomes Ferreira, professor da Escola Estadual Prof Ecila Pantoja da Rocha, na realização do 1º TechCamp Pará. O evento consistiu na realização de mostra científica voltada à socialização de projetos da rede estadual de educação básica que buscam soluções para problemas locais, de modo a inspirar e capacitar professores e alunos na área de STEM. A partir da realização de 13 oficinas e de uma mostra de projetos com 20 trabalhos apresentados, os idealizadores da iniciativa criaram um rico espaço de disseminação dessa nova cultura, bem como de visibilidade de práticas exitosas da rede.

Segundo Rafael, “essa mostra científica buscou integrar alunos e projetos da Região Metropolitana de Belém com alunos de escolas do interior do Estado. As expectativas foram ultrapassadas, pois houve troca de conhecimento e contatos para o desenvolvimento de outros projetos. Demos o primeiro passo, e os alunos vão dar continuidade à TechCamp para transformar sua realidade”.

Leandro de Oliveira Costa, Rio de Janeiro

Leandro faz parte do corpo da secretaria da Educação do Estado do Rio de Janeiro e é professor do Colégio Estadual Edmundo Bittencourt. Leandro e Eduardo Vasconcellos, também gestor da SEEDUC e professor da CIEP 117 Carlos Drummond de Andrade Brasil/Estados Unidos, atuaram juntos como idealizadores do STEAMTechCamp RJ 2018 – Um encontro entre Rios em parceria com o Centro Universitário Serra dos Órgãos (UNIFESO).

Esse TechCamp reuniu diversos professores a fim de pensar caminhos para o desenvolvimento do ensino das áreas de STEAM (Ciência, Tecnologias, Engenharia, Artes e Matemática). O encontro, que abarcou alguns municípios cariocas, possibilitou aos inscritos receber treinamento e suporte para o desenvolvimento de feiras de ciências e atividades investigativas em suas escolas, além de encontrar profissionais de diferentes áreas que são ativos desenvolvedores de atividades STEAM no Rio de Janeiro.

O programa STEM TechCamp Brasil é uma iniciativa da Embaixada dos Estados Unidos em parceria com o Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI-TEC) e com o apoio da Poli-USP, Grupo +Unidos, Consed e Instituto 3M.