• Português
  • English

GRANDES PETROLEIRAS CONSEGUEM AVANÇOS NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO



[et_pb_section bb_built=”1″ background_color=”#e6e6e6″ custom_padding=”108px|0px|9px|0px” _builder_version=”3.0.65″][et_pb_row _builder_version=”3.0.47″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” custom_padding=”23.1094px|0px|16px|0px”][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_post_title categories=”off” comments=”off” _builder_version=”3.0.65″ title_font=”|on|||” title_font_size=”27px” title_font_size_phone=”27px” title_font_size_last_edited=”on|phone” title_text_color=”#132c66″ /][et_pb_text _builder_version=”3.0.75″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” background_color_gradient_type=”linear” background_color_gradient_direction=”1″ background_color_gradient_direction_radial=”center” background_layout=”light” text_font_size_tablet=”51″ text_line_height_tablet=”2″ header_font_size_tablet=”51″ header_line_height_tablet=”2″ border_style=”solid”]

(Bloomberg) — Não é segredo que as maiores petroleiras estão entre as empresas que mais poluem. O que pode surpreender é o fato de elas estarem reduzindo suas pegadas de gases causadores do efeito estufa a cada ano e participando ativamente de uma tendência à qual a maioria das gigantes corporativas está aderindo.

Sessenta e duas das 100 maiores empresas do mundo reduziram consistentemente suas emissões em uma base anual entre 2010 e 2015, com um declínio global de 12 por cento no período, segundo relatório da Bloomberg New Energy Finance divulgado antes de sua conferência, em Londres, nesta segunda-feira.

As descobertas sugerem que os setores mais poluentes haviam começado a combater a mudança climática antes de o presidente dos EUA, Donald Trump, tomar posse e sinalizar que cancelaria a participação do país no Acordo de Paris sobre limites às emissões de combustíveis fósseis. Agora, em um momento em que as autoridades europeias afirmam que a Casa Branca poderia diluir seu compromisso com Paris em vez de cancelar a participação no tratado, o relatório da BNEF sugere que a indústria está reduzindo as emissões.

“Não importa se Trump permanecerá no Acordo de Paris; isso é irrelevante, porque os estados e as grandes corporações estão avançando com a energia limpa”, disse Peter Terium, CEO da geradora de energia alemã Innogy, nos bastidores da conferência da BNEF, nesta segunda-feira. “Eles não estão à espera. Estamos vendo a energia renovável se tornar cada vez mais competitiva em comparação com combustíveis fósseis como o carvão.”

As cinco maiores petroleiras — Exxon Mobil, Royal Dutch Shell, Chevron, BP e Total — limitaram coletivamente sua poluição em média em 13 por cento entre 2010 e 2015, segundo o relatório. A BP realizou a maior redução, de 25,5 por cento. A Exxon, a maior emissora entre as empresas de capital aberto, reduziu em 14 por cento.

O relatório mostra uma inversão em relação às décadas passadas, quando os alertas científicos a respeito das mudanças climáticas eram recentes e as empresas responsáveis pela maior parte das emissões pressionavam autoridades para que ignorassem a questão. Depois que megatempestades como o furacão Irma, neste ano, e o Sandy, em 2012, aumentaram a consciência em relação ao problema, as empresas, mesmo as do setor de petróleo, vêm tomando medidas para reduzir a poluição e para se associarem à agenda verde.

As reduções realizadas pelas 100 maiores empresas economizaram 70,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono e outros gases causadores do efeito estufa, total semelhante a toda a emissão de um ano de Israel. Como os dados sobre emissões demoram muito para serem compilados, 2015 é o último ano coberto.

“Este é um reflexo da crescente pressão dos acionistas, dos grupos de investidores e da sociedade civil para que haja uma transparência maior em relação às emissões de gases causadores do efeito estufa e para que sejam definidas metas de redução”, disse Laura McIntyre-Brown, analista da Bloomberg New Energy Finance e autora do relatório. “Há também uma tendência evidente de maior transparência em relação às emissões por parte de muitas das maiores empresas.”

Fonte: jornalfloripa.com.br

[/et_pb_text][et_pb_post_nav _builder_version=”3.0.65″ title_text_color=”#132c66″ /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_sidebar area=”sidebar-1″ _builder_version=”3.0.65″ /][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section][et_pb_section bb_built=”1″ background_color=”#e6e6e6″ custom_padding=”12px|0px|0px|0px” _builder_version=”3.0.65″][et_pb_row custom_padding=”10px|0px|0px|0px” _builder_version=”3.0.65″][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_comments _builder_version=”3.0.65″ custom_button=”on” button_border_width=”1px” button_border_radius=”0px” button_on_hover=”off” button_border_color_hover=”#132c66″ /][et_pb_divider color=”#132c66″ show_divider=”on” divider_style=”solid” divider_position=”bottom” divider_weight=”1px” _builder_version=”3.0.64″ global_module=”5886″ saved_tabs=”all” /][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Assine nossa Newsletter

    Logo +Unidos
    Youtube Flickr Linkedin Facebook ...